“O espírito de mortificação”

O espírito de mortificação brota, não tanto como manifestação de Amor, mas como uma das suas conseqüências. Se falhas nessas pequenas provas -reconhece-o-, fraqueja o teu amor pelo Amor. (Sulco, 981)

Penitência, para os pais e, em geral, para os que têm uma missão de governo ou educativa, é corrigir quando é preciso fazê-lo, de acordo com a natureza do erro e com as condições de quem necessita desta ajuda, sem fazer caso de subjetivismos néscios e sentimentais.

O espírito de penitência leva a não nos apegarmos desordenadamente a esse bloqueio monumental de projetos futuros, em que já previmos quais serão os nossos traços e pinceladas mestras. Que alegria damos a Deus quando sabemos renunciar às nossas garatujas e broxadas de mestrinho, e permitimos que seja Ele a acrescentar os traços e as cores que mais lhe agradem! (Amigos de Deus, 138)