Papa: a oração transforma o nosso coração e a realidade

O Santo Padre continuou a catequese sobre a oração afirmando que "Deus responde sempre, (...) porque, no fim da nossa estrada, há um Pai de braços abertos que a todos espera".

Da Igreja e do Papa

Desde as narrações da infância, a figura de Jesus é apresentada pelo evangelista Lucas numa atmosfera densa de oração. Cada passo da sua vida aparece animado pelo sopro do Espírito, que O guia em todas as suas ações. Até as horas que precedem a sua morte são vividas num clima de oração, daí brotando uma calma surpreendente: Jesus consola as mulheres, reza pelos seus verdugos, promete o paraíso ao bom ladrão e expira dizendo: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”.

Jesus é, sobretudo, um orante; e, a pedido dum dos seus discípulos (“Senhor, ensina-nos a rezar”), fez-Se também Mestre de oração, tendo-nos ensinado as palavras – por exemplo, o “Pai Nosso” –, mas também as atitudes e os sentimentos com que devemos dirigir-nos a Deus. As suas palavras dão-nos a certeza de que Deus é Pai e não Se esquece dos filhos que sofrem; responde sempre, não deixa nenhuma oração por atender: “Todo aquele que pede, recebe; quem procura, encontra; e, ao que bate, abrir-se-á”. Quantas vezes, porém, entramos em crise, vendo que tais palavras não se realizam!

A oração transforma sempre a realidade; se não mudarem as coisas ao nosso redor, pelo menos mudamos nós

Muitas das nossas orações – pelo menos assim parece – não obtêm qualquer resultado. Nesse caso, Jesus recomenda-nos que insistamos: não nos demos por vencidos! Porque a oração transforma sempre a realidade; se não mudarem as coisas ao nosso redor, pelo menos mudamos nós. É que, a toda a pessoa que reza, Jesus prometeu o dom do Espírito Santo; por isso, logo desde quando rezamos, ficam vencidos a solidão e o desespero. Tenhamos, pois, a certeza de que Deus responde sempre; o motivo por que tarda a fazê-lo, não o sabemos. Pode até acontecer que tenhamos de insistir a vida inteira, mas o desejo de felicidade, que todos trazemos no coração, um dia realizar-se-á, porque, no fim da nossa estrada, há um Pai de braços abertos que a todos espera.

* * *

Locutor:

Com sentimentos de gratidão e estima, saúdo todos os peregrinos de língua portuguesa, invocando sobre os vossos passos a alegria do encontro com Deus: Jesus Cristo é a Tenda divina no meio de nós; ide até Ele, vivei na sua graça e tereis a vida eterna. Desça sobre vós e vossas famílias a Bênção de Deus.

© Copyright - Libreria Editrice Vaticana


Alguns recursos relacionados com esta catequese do Papa sobre o Pai Nosso

• 40. Pai Nosso, que estais no Céu

Com o Pai Nosso, Jesus Cristo nos ensina a dirigir-nos a Deus como Pai. É a oração filial por excelência.

• Rezar o "Pai Nosso" com consciência de ser filho de Deus

O Papa Francisco explica “Pai Nosso” e a fração do Pão, como parte da Liturgia Eucarística da Santa Missa.